Home 

Novidades!
Seleção de canditados com formação em Entomologia e Química para bolsas de pós doutorado - clique e confira

O que são Semioquímicos?

Semioquímicos são as substâncias químicas envolvidas na comunicação entre os seres vivos. Semio vem do grego semeîon = sinal. O termo semioquímicos significa, então, "sinais químicos". Várias são as classes dos semioquímicos, com base no tipo de interação, se intraespecífica ou interespecífica, e com base nos custos e benefícios que cada organismo da interação terá.

O que são feromônios?

Feromônios são os semioquímicos mais estudados em todo o mundo. Pherein, em grego, quer dizer carregar e horman, estimular. Eles podem ser definidos como substâncias químicas responsáveis pelas interações entre organismos da mesma espécie (ação intra-específica).

Por que pesquisá-los?

Porque os insetos são os seres vivos que mais usam os odores nas atividades vitais: localização de presas, defesa e agressividade, seleção de plantas hospedeiras, escolha de locais para a ovoposição, corte e acasalamento, na organização social e outros comportamentos. E eles são os maiores competidores dos humanos quando o assunto é alimentação. Descobrindo as substâncias que compõem as informações que trocam é possível impedir a comunicação entre os espécimes, obtendo assim um controle de pragas sem risco para o meio ambiente.

Como se faz?

O laboratório trabalha com duas linhas de pesquisa. Uma delas busca o isolamento e a identificação estrutural dos semioquímicos, em particular dos feromônios de insetos, e o estudo comportamental dos insetos frente a estas substâncias. A outra procura sintetizar os compostos identificados.

Para produzir feromônio no laboratório, é preciso antes extraí-lo dos animais e muitas vezes isto exige que eles sejam criados aqui mesmo.

Existem insetos que expõem a glândula que produz a substância. Neste caso, após um estudo sobre o comportamento de chamamento da espécie, a glândula é retirada, colocada em solvente, é feito um extrato e este extrato vai para análise.

Quando as glândulas estão localizadas dentro do corpo dos insetos, elas não podem ser retiradas. Para extrair o feromônio é preciso, então, reproduzir as condições de campo, garantir horas de luz e escuridão, controlar a temperatura e fornecer alimento. Os insetos segregam feromônios naturalmente. Os animais são mantidos dentro de tubos de vidro e nada do que eles produzem se perde. Neste caso, o processo de retirada do feromônio é por aeração. As substâncias voláteis são arrastadas até um tipo de resina, onde ficam retidas. Esta resina é tratada com solventes e o extrato é preparado.

A análise dos extratos começa no cromatógrafo gasoso, onde será possível estabelecer, dentre todas as substâncias liberadas pelos insetos, qual é o feromônio.

Descoberto o feromônio é preciso determinar sua composição química, e isto é feito no espectrômetro de massas.

Só então, com a estrutura química determinada, é possível propor uma metodologia sintética para a preparação do feromônio no laboratório.

Armadilhas com feromônios

Uma vã promessa amorosa pode revolucionar a agricultura brasileira.

Folha de São Paulo

Feromônio pode eliminar praga da cana

Programa Scientia

Feromônio: comunicação química como agente de combate.







Página atualizada em
15/05/2014